Vice-Presidente do MPLA concede audiências

Luísa Damião iniciou o mês de Abril com audiências concedidas ao Embaixador da República da Côte d'Ivoire em Angola, Santiéro Jean-Marie Somet e o Reverendo Ntoni Zinga com quem abordou diversos assuntos da actualidade política, económica e social
PORTALMPLA - 1 de Abril (Sexta-feira) de 2022 - A Camarada Luísa Damião, Vice-Presidente do MPLA, recebeu, na manhã desta sexta-feira, na Sede Nacional do Partido, em audiências separadas, o Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República da Côte d'Ivoire em Angola, Santiéro Jean-Marie Somet e o Reverendo Ntoni Zinga.

Com Santiéro Jean-Marie Somet, a Camarada Luísa Damião abordou aspectos relacionados com cooperação entre os dois países, fundadas nas realções que unem os partidos que estão no poder nos referidos países. À saída da audiência, o diplomata Costa Marfinense disse ser "um prazer para a Costa do Marfim, estar ao lado do povo angolano, saber o que podemos fazer em termos de cooperação, que é uma coisa essencial para os povos”.

"Temos que avançar na cooperação, abandonar o tempo de falarmos muito e entrarmos para acções práticas”, disse o diplomata.

Questionado sobre a preparação das eleições marcadas para Agosto de 2022, o Santiéro Jean-Marie Somet disse: "temos confiança que quando se trabalha para o povo a recondução se efectiva. O Presidente João Lourenço, continuou, e toda a sua equipa, trabalha para a felicidade dos angolanos e, estamos em crer, o povo saberá escolher bem no dia do voto”.

Por sua vez, Ntoni Nzinga, abordou com a Vice-Presidente do MPLA, assuntos da actualidade política nacional, bem como outros de interesse entre as partes, atendendo a relação de parceria existente entre as igrejas e o Partido.

O Reverendo Ntoni Nzinga disse, a saída da audiência, que "foi uma visita em que aproveitar para partilhar com a direção do Partido o seu pensamento sobre a celebração dos 20 anos de paz e reconciliação nacional”.

Toni Nzinga sugeriu que se continue a fazer o melhor possível para que Angola seja, de facto, um bom país para se estar e viver, "Devemos continuar a trabalhar para que os vinte anos de paz sejam, no futuro, celebrados num clima de melhoria”.

O Reverendo pediu a todos os angolanos para olharem o país como a Nação que queremos ser.
"Temos que investir a busca de soluções comum para os problemas de Angola”, enfatizou.
Voltar