Intervenção do Camarada João Lourenço, Presidente do MPLA na sessão de abertura da XIII Conferência Ordinária Provincial do MPLA em Luanda Luanda, 30 de Outubro de 2021

Como é sabido, o MPLA é um Partido nacional, independente e progressista, cuja base social assenta no povo, no qual se incorporam quadros e cidadãos eleitores, com os quais sempre contou na sua nobre missão de edificar uma sociedade democrática que defende os direitos fundamentais do cidadão, e o desenvolvimento económico e social do nosso país.
Intervenção do  Camarada João Lourenço, Presidente do MPLA na sessão de abertura da XIII Conferência Ordinária Provincial do MPLA em Luanda
Luanda, 30 de Outubro de 2021
Camarada Luísa Damião, Vice-Presidente do MPLA
Camarada Paulo Pombolo, Secretário-Geral do MPLA
Camarada Bento Joaquim Sebastião Bento Bento Bento, o soldado Bento Bento Primeiro Secretário do MPLA em Luanda
Camaradas Delegados
Minhas Senhoras e Meus Senhores
Permitam-me exprimir a minha grande satisfação em encontrar-me neste auditório para presidir a sessão de abertura da XIII Conferência Ordinária Provincial de Luanda, saudando os camaradas delegados e ilustres convidados que honram esta Conferência com a sua presença.
Caros Camaradas
Depois da realização das Assembleias de Militantes, das Conferências de Distritos Urbanos, Comunais e Municipais, Luanda realiza a primeira das 18 Conferências Provinciais do Partido, estando as demais previstas para o início de Novembro, no âmbito do Processo Orgânico do VIII Congresso Ordinário do nosso MPLA. 
Como é sabido, o MPLA é um Partido nacional, independente e progressista, cuja base social assenta no povo, no qual se incorporam quadros e cidadãos eleitores,  com os quais sempre contou na sua nobre missão de edificar uma sociedade democrática que defende os direitos fundamentais do cidadão, e o desenvolvimento económico e social do nosso país.
Nos últimos tempos, em parte por força das restrições impostas pela pandemia da Covid 19, vínhamos assistindo a um abrandamento relativo do seu principal vector que é a acção de massas, situação reclamada pelos militantes, simpatizantes e amigos e que era necessário  corrigir, sem violar a necessidade de respeitar as medidas recomendadas pelas competentes autoridades sanitárias.
Decidimos separar o cargo de Primeiro Secretário do Partido do de Governador da Província de Luanda e escolhemos o camarada Bento Bento para capitanear a equipa do MPLA na maior praça eleitoral,  espaço que bem conhece e  domina. Os resultados em termos de mobilização política, são bastante visíveis e só vêm confirmar que estávamos certos na aposta que fizemos.
Hoje constatamos que o MPLA voltou a ocupar o seu espaço político, e que está efectivamente em movimento. 
Decidí  testemunhar esta XIII Conferência, para em meu nome e em nome da direcção do Partido aqui presente, manifestar o nosso  reconhecimento e solidariedade aos militantes, simpatizantes e amigos do MPLA e das suas Organizações Sociais e Associadas, que de modo incansável se entregam à causa do Partido, e encorajar a continuarem com esta dinâmica de mobilização para manter Luanda no que sempre foi, o bastião inexpugnável do MPLA .
Esta manifestação é extensiva aos militantes, simpatizantes e amigos do nosso Partido em todas as províncias do nosso País. 
Continuamos fortemente comprometidos com a causa do nosso país e do povo angolano em quaisquer circunstâncias  mesmo nos momentos mais difíceis, porque o  MPLA é a histórica força política que sempre lutou pela democracia e pela justiça social.
Camaradas Delegados
De 9 a 11 de Dezembro do corrente ano, terá lugar o VIII Congresso Ordinário do MPLA.
Esta semana dei entrada da minha candidatura ao cargo de Presidente do MPLA, para com base no Programa, nos Estatutos e no Código de Ética Partidária, possa contribuir para que o Partido continue a ser a maior mas, sobretudo, a melhor força política em Angola, a única que sempre defendeu a necessidade do combate contra à corrupção e à impunidade e que hoje está a fazê-lo realmente, a que reconhece públicamente seus erros com toda transparência, a que procura sempre melhorar o que está bem e corrigir o que está mal. 
Entregamos à Subcomissão de Candidaturas, a Moção de Estratégia que contém a minha visão para os próximos 5 anos. 
Aproveito esta tribuna para expressar o meu profundo agradecimento pelas manifestações de apoio e solidariedade dos militantes em representação das 18 províncias que subscreveram a nossa candidatura, como sinal de reconhecimento pelo trabalho colegial que temos desenvolvido em prol da unidade e coesão do Partido e da melhoria da imagem e credibilidade do MPLA e de Angola.
Para além do Programa como instrumento orientador da linha política do MPLA, o Congresso debruçar-se-á também sobre os Estatutos do Partido, instrumentos reitores cujas contribuições serão discutidas previamente pelos militantes nas Conferências Provinciais.
O processo orgânico do VIII Congresso do MPLA introduziu uma inovação na aplicação do princípio da renovação que agora fica em 55% e continuidade que fica com 45%, como forma de continuarmos com o processo de rejuvenescimento nas estruturas do Partido, iniciado em 2019.
A paridade do género é outra, senão a maior novidade no MPLA e traduz o nosso compromisso com a mulher, a prova de que o nosso Partido valoriza e reconhece o papel da mulher nos vários segmentos da sociedade angolana.
A atribuição da cota de 35% para a juventude traduz bem o quanto os jovens representam para o MPLA, em todas as etapas do seu percurso histórico.
Todo este movimento se enquadra no âmbito do processo de reformas de modo a garantir a vitalidade do MPLA no mosaico político angolano, conciliando a experiência dos mais velhos, a sabedoría da mulher e a energia e força da juventude.
O nosso Partido é o promotor das principais transformações do país, o que impulsionou sempre a actualização  da  legislação e as reformas constitucionais que proporcionaram a pluralidade representativa, a disputa eleitoral e a ampla participação dos cidadãos na vida do país.
Os desafios contemporâneos exigem do MPLA a adopção de medidas consentâneas  para que continue a ser o Partido governante, merecedor inequívoco da confiança do povo angolano.
Não restam dúvidas, que parte significativa da sociedade angolana continua a identificar-se com o Projecto de Nação do MPLA. Por isso o MPLA continuará a trabalhar na defesa, na ampliação e consolidação dos avanços sociais já  conquistados. 
Em matéria de democracia, Angola avançou nos últimos anos com mais liberdade de expressão, de imprensa e de reunião,  numa democracia em pleno desenvolvimento que defende o primado da  Lei em toda a sua ação. 
Exortamos toda a nossa massa militante a pautar por uma conduta de respeito pela diferença, de  tolerância e de solidariedade,  fazendo a diferença  para servir de exemplo no meio de práticas repugnantes e condenáveis, que viemos assistindo últimamente na forma de se fazer política em Angola. 
Os avanços nas Tecnologias de Informação e Comunicação deram lugar a algumas inovações no âmbito da participação política nos sistemas democráticos. As redes sociais transformaram a forma de ser, estar e de fazer política, porque as pessoas hoje são mais capazes de se comunicar com facilidade.
A internet é um desafio para a política e um desafio para os meios de comunicação tradicionais, assim como também é um desafio para a nova cidadania, cuja participação no debate político passa agora por este poderoso instrumento tecnológico.
Por esta razão e sempre na perspectiva da modernização do nosso partido, aproveitemos o potencial das redes sociais para a melhoria qualitativa do trabalho político-partidário, aperfeiçoando os mecanismos de fazer política em ambientes digitais.
Devemos complementar a ação presencial com a acção digital, bem como dinamizar campanhas de educação cívica que visem contribuir para a humanização da nossa sociedade. 
Caros Camaradas
A pandemia da COVID-19 continua a constituir a maior preocupação mundial da actualidade, pela ameaça que representa para o ser humano. 
No nosso país depois de um crescimento no registo de casos, com a tomada das mais recentes medidas e o aumento da vacinação, esta tendência começa a diminuir. 
No entanto, manifestamos a nossa preocupação pelo facto de muitos angolanos insistirem em não aderir a vacina e a ignorarem as normas de biossegurança universalmente recomendadas.
Mais uma vez, expressamos aqui o nosso reconhecimento aos profissionais de saúde de Angola que tem  a serviço do seu povo, homens e mulheres de grande valor moral, totalmente dedicados  à causa pública.
Usando desta oportunidade queremos reafirmar o nosso empenho de tudo fazer para combater a pandemia da Covid-19, apelando aos cidadãos a aderirem massivamente ao processo de vacinação como forma de garantir maior imunização e consequentemente, maior protecção as nossas vidas.
Esta mesma pandemia da COVID-19, também tem um efeito bastante negativo sobre as economias mundiais, tendo como consequência a redução da oferta mundial de bens industrializados e de serviços, o que provocou uma subida vertiginosa dos preços no geral, incluindo os fretes marítimos e aéreos entre os distintos continentes.
Esta situação refletiu-se nas economias dos países,  fazendo aumentar também a taxa de desemprego e a redução do poder de compra dos cidadãos à escala internacional.
Angola não escapou ao vendaval do poder destructivo do Covid-19 sobre a nossa economia e  por esta razão, o Executivo angolano atento ao clamor dos cidadãos, apostou e com algum sucesso no aumento da produção interna de bens alimentares de grande consumo da população, na redução das taxas aduaneiras sobre alguns produtos de importação e agora, mais recentemente, também na redução em 50% do imposto do IVA sobre os principais produtos alimentares da chamada cesta básica.
Caros Camaradas
Não gostaria de terminar sem deixar uma palavra de apreço e conforto aos camaradas que nesta Conferência cessarão os seus mandatos na direcção do Partido aqui em Luanda e de uma maneira geral nas demais províncias, como resultado da aplicação do princípio da renovação e continuidade.
Finalmente, saudar os camaradas que serão eleitos para trabalharem no aumento da dignificação do nosso MPLA. 
Com estas palavras, declaro aberta a XIII Conferência Ordinária Provincial do MPLA em Luanda.
MPLA  POR UMA ANGOLA MAIS DESENVOLVIDA, DEMOCRÁTICA E INCLUSIVA.
DE CABINDA AO CUNENE, UM SÓ POVO,  UMA SÓ NAÇÃO!
A LUTA CONTINUA!
A VICTÓRIA É CERTA!
Voltar