INTERVENÇÃO DE ABERTURA DO ENCONTRO DE RECEPÇÃO DE OPINIÕES DA SOCIEDADE ANGOLANA “TERMÓMETRO” PROFERIDO PELA CAMARADA LUÍSA DAMIÃO, VICE-PRESIDENTE DO MPLA, MOXICO 5 DE AGOSTO DE 2021

É com imensa honra e profundo sentimento de júbilo que em nome do Camarada João Lourenço, Presidente do MPLA, que aqui represento, saúdo, calorosamente, todos os presentes ao VII Encontro de Recepção de Opiniões da Sociedade Angolana, denominado Termómetro.

Camarada Paulo Pombolo, Secretário-Geral do MPLA;
Camaradas Membros do Secretariado do Bureau Político;
Camarada Gonçalves Muandumba, Membro do Bureau Político do Comité Central, Primeiro Secretário Provincial do MPLA e Governador Provincial do Moxico;
Camaradas Directores do Comité Central e Chefes de Divisão;
Excelentíssimos Convidados;
É com imensa honra e profundo sentimento de júbilo que em nome do Camarada João Lourenço, Presidente do MPLA, que aqui represento, saúdo, calorosamente, todos os presentes ao VII Encontro de Recepção de Opiniões da Sociedade Angolana, denominado Termómetro, que decorre aqui na heróica Província do Moxico, local que, em Março de 2002, testemunhou a assinatura do Memorando de Entendimento do Luena (Moxico), que viria abrir o caminho para a paz definitiva no nosso País.  
A província do Moxico, pelo seu passado e história, relembra-nos a necessidade de tudo fazermos para retribuirmos o sacrifício de preciosos filhos e filhas que verteram o seu nobre sangue, para hoje desfrutarmos dos ventos da paz, da concórdia e de um clima de construção material e imaterial no nosso País. 
Sente-se aqui nesta parcela do nosso País, ventos novos e de esperança, que reforçam a nossa responsabilidade e sentimento de que temos de avançar com coragem e estabilidade, a fim de  recuperarmos o tempo perdido, com elevado compromisso e patriotismo na nossa forma de ser, fazer e de estar. 
É bom estar no Moxico volvidos 19 anos de paz, ver crianças a jogar a bola, os jovens e os adultos a circularem livremente, num clima de paz e harmonia social. 
ESTIMADOS PARTICIPANTES ;
O nosso encontro de recepção de opiniões da sociedade angolana que convencionamos chamar  "Termómetro” em sede das reuniões interprovinciais discorre o tema: "A dimensão do perdão na consolidação de uma Angola de paz, reconciliação e desenvolvimento”. 
São nossos honrosos convidados para esta VII edição especial na região leste, os doutores: Luís Domingos, docente universitário e jornalista, Elias Oliveira, Especialista em Relações Internacionais, Padre Leonardo Epalanga e a psicóloga e comunicóloga  Dra. Edith Mária Linguai. 
Esta edição especial contará com a moderação do Camarada Diógenes de Oliveira, Membro do Bureau Político do Comité Central e Secretário para Administração e Finanças. 
ESTIMADOS PARTICIPANTES ;
Asseguro-vos com firme convicção: valeu a bravura dos heróis e mártires que se bateram pela independência nacional, pela paz e pela luta incessante para o progresso e desenvolvimento do nosso país, que tem um líder, o Camarada Presidente João Lourenço que nos convida a todos a fazermos uma ruptura com o passado eivado de más práticas e erguermos um país com uma democracia vibrante, de liberdade, respeito pela diferença e unidade na diversidade.  
ESTIMADOS CAMARADAS;
O perdão deve continuar a ser a força galvanizadora para o processo de reconciliação nacional, que já vai a passos largos, com o gesto assertivo do mais alto magistrado da Nação, que materializou esta perspectiva ao criar em 16 de Maio de 2019, por Despacho Presidencial, a "Comissão para reconciliação em memória das vítimas dos conflitos políticos Nacionais”, cujos resultados têm sido encorajadores, saudados e testemunhados por todo o povo angolano e não só.
Sua Excelência, o Camarada Presidente João Lourenço, assumiu com nobreza e dimensão de Estado, a necessidade do aprofundamento da reconciliação Nacional, tendo proferido no dia 26 de Maio de 2021 o discurso de pedido de desculpas públicas e de perdão, prontamente acolhido pelo povo angolano e, sobretudo, pelas famílias vítimas dos conflitos ocorridos no período entre 1975 a 2022. 
Somos todos convocados a exercitar de forma genuína o perdão, onde quer que estejamos. A dimensão da responsabilidade urge, e não dispensa a contribuição de ninguém. A mãe pátria chama-nos a todos. 
É enganoso pensar que é apenas tarefa de quem governa, harmonizar a sociedade por via do perdão e da reconciliação entre os angolanos. Todos nós devemos engajarmo-nos nesta árdua, mas nobre tarefa. 
Cônscios de que precisamos fazer a caminhada, é necessário que cada um de nós políticos ou não, tenha presente a ingente tarefa de educar os filhos na direcção do perdão, da tolerância, da paz e da reconciliação entre irmãos, parentes,  vizinhos, em toda a comunidade, até atingirmos a consolidação nacional.
A vontade de governar ou atingir ao poder não deve estar acima dos soberanos interesses do povo angolano, a isso chamamos razoabilidade. 
O MPLA, enquanto Partido com responsabilidades de Estado, tem noção do alcance e da necessidade do perdão, da pacificação das consciências e da reconciliação para os angolanos e, toma como exemplo a sua própria história, assim como a de inúmeros casos de nações pelo mundo à fora que, apenas por esta via (a do perdão) que conseguiram triunfar e construir nações prósperas para os seus filhos. 
O caso mais próximo fora das nossas fronteiras refere-se ao "apartheid”, que só foi possível vencer as agruras por si provocadas, por meio do perdão e da reconciliação.
Porém, mesmo neste caso, os desafios da reconciliação ainda são perenes. Caso para dizer que, nós que assumimos este desafio, não devemos perder tempo com o supérfluo, não devemos limitar esforços no percurso para alcançarmos este desiderato, já que a tarefa é árdua e quotidiana.
O MPLA e o seu Líder, o Camarada Presidente João Lourenço, inspirados na luta dos pais fundadores da Nação Angolana, farão o seu melhor para o êxito da ingente caminhada que seguramente nos levará ao desenvolvimento do país, com o apoio indispensável dos angolanos de Cabinda ao Cunene e do Mar ao Leste. 
Devemos reforçar incessantemente as balizas do desenvolvimento, premissa maior para a consolidação dos principais anseios e aspirações dos angolanos: a paz, a estabilidade política, a  segurança, a unidade e coesão social e a defesa das instituições no quadro do Estado de direito democrático. 
Estamos todos convocados a abraçar o perdão e a assegurar a reconciliação nacional. 
Desejo-vos a todos uma excelente tarde e que o nosso "Termómetro" sirva não somente para medir a temperatura biológica, mas acima de tudo, a das ideias em torno da dimensão do perdão na consolidação de uma Angola de paz, reconciliada e desenvolvida. 
Muito obrigada pela vossa especial atenção. 
A luta continua e a vitória é certa.
Voltar