Presidente José Eduardo dos Santos: “Os angolanos são pessoas especiais”

“É importante termos bons dirigentes, bons chefes, que saibam interpretar a vontade dos cidadãos, das populações: definir caminhos para, mais facilmente, resolvermos os nossos problemas”.

Luanda, 09 SETEMBRO 15 (4ª FEIRA) – “Disse o camarada Bento Bento, primeiro-secretário do Comité Provincial do Partido, de Luanda, na sua alocução, que eu era uma pessoa muito especial. Eu sinto que todos somos especiais.
Os angolanos são pessoas especiais. Eles sabem o que querem, sabem onde estão e, também, sabem para onde querem ir. Senão vejamos: durante vários séculos, os colonialistas ocuparam Angola e não queriam sair. Em 1975, eles foram obrigados a ceder e partiram.
Os sul-africanos ocuparam, durante vários anos, parcelas do território nacional. Quiseram impor, aqui, um regime que fosse favorável aos seus interesses. Os angolanos resistiram e eles foram expulsos.
Realizámos eleições. O MPLA teve uma vitória expressiva nessas eleições. Alguns não quiseram aceitar os resultados. O povo bateu o pé, disse não, resistiu e impôs a sua vontade. Foi conseguida a paz. Nós somos realmente especiais.
Quando nos preparávamos para reconstruir o país - porque, afinal, a guerra tinha devastado a nossa Pátria - e todos aqueles que, a partir do estrangeiro, contribuíram para esta destruição não se manifestaram favoráveis ao apelo de ajuda para a reconstrução nacional, os angolanos procuraram soluções alternativas, encontraram os recursos financeiros, encontraram novos amigos, novos aliados e, agora, lançaram todas as bases para iniciar um projecto de reconstrução nacional.
(…) É importante termos um Partido organizado, a todos os níveis. É importante termos bons dirigentes, bons chefes, que saibam interpretar a vontade dos cidadãos, das populações: definir caminhos para, mais facilmente, resolvermos os nossos problemas”.
In discurso de 27.08.05,
no município do Kilamba-Kiaxi, em Luanda
PortalMPLA/AB

Veja todas as notícias