Portugal: SG da OMA pede regresso dos quadros à Angola

A camarada Luzia Inglês Van-Dúnem “Inga”, na foto, reuniu-se, segunda-feira (04) em Lisboa, com a comunidade angolana e disse que “Angola só será forte com o esforço de todos os seus filhos”.  

 

Lisboa, 06/02 - A secretária-geral da Organização da Mulher Angolana (OMA), camarada Luzia Inglês Van-Dúnem “Inga”, apelou, segunda-feira (04) em Lisboa, ao regresso “atempado” à Angola dos quadros angolanos, para que contribuam no desenvolvimento do país.

Num concorrido encontro com a comunidade angolana em Portugal, em saudação ao 52º aniversário do início da Luta Armada de Libertação Nacional (1961/1975), celebrado no dia quatro de Fevereiro, Inga chamou à atenção para o momento oportuno de os angolanos na diáspora voltarem “quanto antes” ao país, “num momento em que a Europa vive uma grande crise económica e financeira”.

“Se aqui, em Portugal, já há gente a passar fome, porque é que os quadros angolanos insistem em cá ficar, quando o nosso país tanto precisa dos seus filhos?”, questionou aquela dirigente, para quem “Angola só será forte com esforço de todos os seus filhos”.

A secretária-geral da OMA está em Lisboa, onde participou na reunião do Conselho da Internacional Socialista das Mulheres (ISM), que debateu “A crise financeira internacional e o impacto nas mulheres”.

Sobre o referido tema, afirmou que “em Angola, país com um pesado legado colonial e de conflito interno de graves consequências humanas e sociais (…), na procura de soluções sustentáveis e solidárias com todas as camadas da população, a condição da mulher sempre mereceu uma atenção cuidada do Executivo angolano”.

FonteANGOP/AB

Veja todas as notícias