MPLA condena vandalismo contra o Santuário da Muxima

Declaração Política do Grupo Parlamentar do Partido pediu (08) medidas punitivas aos seus autores.

Luanda, 14 NOVEMBRO 13 – Na sua Declaração Política, apresentada (08) à 2ª Plenária Extraordinária da Assembleia Nacional, o MPLA condenou o acto de vandalismo perpetrado, a 27 de Outubro de 2013, contra o Santuário da Muxima e manifestou a sua solidariedade para com a Igreja Católica e os seus crentes.

Ao mesmo tempo, o MPLA apelou aos órgãos competentes do Estado, para que sejam tomadas medidas eficazes, de puniçãoaos autores desse vil acto.

O facto ocorreu no dia 27 de Outubro de 2013, depois de, na abertura da sua reunião anual, os bispos da CEAST se terem pronunciado sobre a proliferação de seitas no país, trazendo consigo uma alteração nos usos, hábitos e costumes dos cidadãos, além de sinais de violência no seio das famílias e comunidades.

O santuário católico da Muxima situa-se no município da Quiçama, na parte sudeste da província de Luanda. 

O MPLA e a religião

A religião ocupa um espaço importante na sociedade, influindo, de maneira considerável, na consciência e comportamento de uma larga massa de cidadãos.

Para a sociedade angolana, o MPLA preconiza um Estado laico, que reconheça e garanta a liberdade de consciência, de crença, de culto dos cidadãos, a sua igualdade perante a lei, independentemente de professarem, ou não, qualquer crença religiosa, bem como a igualdade das igrejas e a sua liberdade de acção, nos limites fixados na Constituição e na lei.

Nesta base, o MPLA continua a pugnar por uma total observância das normas constitucionais e legais, que regulam o papel e o lugar da religião e das igrejas, respeitando e protegendo o seu património.

No interesse da melhoria das condições materiais e espirituais da vida do povo, da unidade e do progresso da Nação, o MPLA preconiza uma maior colaboração e permanente participação das instituições religiosas reconhecidas pelo Estado, nos domínios económico e social, nomeadamente, nas áreas da assistência social, saúde, educação e cultura.

O MPLA reconhece e apoia as iniciativas das instituições religiosas, viradas para a pacificação dos espíritos e à moralização da sociedade, à consolidação da paz e à defesa dos valores morais, cívicos, éticos e estéticos dos membros da sociedade.

O MPLA defende o desencorajamento do surgimento e a ilegalização de organizações religiosas e actividades que visem ou promovam a instabilidade social e atentem contra os mais elementares direitos dos cidadãos ou o desrespeito à Constituição e à lei,

PortalMPLA/AB

Veja todas as notícias