Internacional Socialista: MPLA apoia criação de Plataforma comum

IS

O secretário-geral do MPLA, camarada Dino Matrosse, chefiou a delegação do MPLA à reunião do Conselho da IS.

 

Lisboa, 06/02 - O MPLA, Partido do Governo em Angola, declarou (06), no quadro da Internacional Socialista (IS), de que é membro, o seu total apoio à criação de uma Plataforma que irá seguir os ideais progressistas do desenvolvimento e da emancipação humana.

Durante uma reunião do Conselho da IS, terminada na noite de terça para quarta-feira, em Lisboa, além do MPLA, a criação dessa plataforma conta com o apoio do PAIGC (Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo-Verde, da Guiné-Bissau), do PAICV (Partido Africano da Independência de Cabo-Verde), do PDT (Partido Democrático Trabalhista, do Brasil), do PS (Partido Socialista português) e do MLSTP-PSD (Movimento de Libertação de São Tomé e Princípe/Partido Social Democrata), entre outros.  

Estes partidos concordam que essa plataforma, da qual podem ser membros instituições de qualquer natureza, “desde que sigam os ideais progressistas do desenvolvimento e da emancipação humana”, visa valorizar o trabalho sobre o capital e reconhecer na cultura um instrumento de diálogo e de cooperação”.

É, ainda, intenção dessa plataforma, a promoção da cooperação internacional, através da construção de projectos de investigação em ciências sociais e humanas, economia, cultura e pensamento contemporâneo, assim como o desenvolvimento social, nos domínios dos direitos humanos, nas suas várias dimensões (civis, políticas, económicas, sociais, culturais e da comunidade).

Constam, ainda, dos objectivos da plataforma, com sede em Portugal, a promoção do mutualismo e a economia social e solidária, bem como impulsionar a cultura e a construção da historiografia colectiva na relação entre os países da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), China, Índia e outros, como “regiões e comunidades com relação histórica com a língua portuguesa, numa abordagem pós-colonial e de cidadania global”.

Através da Plataforma, os partidos da IS acreditam “contribuir para a construção de alternativas económicas e de desenvolvimento global, para a reflexão sobre novos paradigmas progressistas globais, assim como contribuir para o alcance dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) e reforçar as redes globais progressistas”.

A IS pretende, também, fomentar a educação para a cidadania e a participação na vida em sociedade, promover a inovação social, o envelhecimento activo, o acolhimento e a integração dos imigrantes e das minorias étnicas e a responsabilidade social das empresas e os princípios do Pacto Global das Nações Unidas. 

A IS aprovou, igualmente, uma proposta de alerta para a transparência na Administração Pública, assim como uma nova forma de envolvimento individual nas causas e campanhas da organização, através do activismo social.

O MPLA, o PAICV e o PS constituem a Comissão Instaladora da Plataforma, visando a elaboração de um plano de trabalho calendarizado.

Chefiou a delegação do MPLA a esta reunião do Conselho da IS, o camarada Julião Mateus Paulo “Dino Matrosse”, secretário-geral do Partido.

FonteANGOP/AB

Veja todas as notícias