Efeméride: Luta Armada de Libertação Nacional iniciara há 53 anos

O quatro de Fevereiro de 1961 ditou um percurso patriótico de 14 anos, que culminou, em 11 de Novembro de 1975, com a proclamação da Independência Nacional de Angola.

Luanda, 03 FEVEREIRO 14 - Foi na madrugada do dia 04 de Fevereiro de 1961 que, praticamente em simultâneo, ocorreu o assalto à Casa de Reclusão Militar, à Cadeia Administrativa de São Paulo e à 4ª Esquadra da Polícia, em Luanda, símbolos significativos do então poder colonial português, onde encontravam-se encarcerados patriotas angolanos, por motivos políticos.
Tratou-se de uma operação de grande risco, para os patriotas, que estavam decididos a enfrentar o sistema colonial e todo o seu aparato, pois essa acção era o culminar das reivindicações apresentadas pelos nacionalistas, em fórum próprio, às autoridades coloniais, que não viram, nunca, de bom-grado o apelo à emancipação e independência do povo angolano.
Assim, do ponto de concentração, a casa de Francisco Imperial Santana, que se situava por detrás da Estação do Caminho-de-Ferro de Luanda, a que foram chegando, os cinco grupos, constituídos e devidamente estruturados, dispersaram-se para as direcções que a cada um competia.
Para a Casa de Reclusão, sob chefia de Imperial Santana; para a Emissora Oficial, sob chefia de Virgílio Sotto Mayor; para a Cadeia de São Paulo, sob chefia de Raul Deão; para a 5ª Esquadra, sob chefia de Domingos Manuel; para a Companhia Indígena, Campo de Aviação e Palácio, sob chefia de Paiva Domingos da Silva.
A operação desencadeada a 04 de Fevereiro, não tendo alcançado os objectivos previstos, que era a libertação dos presos, provocou, entre os efectivos da Polícia, sete mortos e os patriotas, ao serem interceptados pelo aparato militar e policial, uns não puderam prosseguir a sua missão, porque foram presos e, alguns, mortos.
Contudo, os que não tinham sido descobertos pela Polícia prosseguiram as acções ofensivas e provocatórias, no mesmo dia, no seguinte e a 10 de Fevereiro.
Na sequência das acções patrióticas desencadeadas nos dias 04, 05 e 10 de Fevereiro de 1961, a Polícia colonial portuguesa reagiu, organizando ataques indiscriminados contra as populações dos musseques de Luanda.
As patrulhas, que percorriam os bairros à noite, atacavam a população civil nas suas residências, arrastando as suas vítimas para a estrada.
Para evitar a denúncia comprovada desses crimes, as autoridades coloniais portuguesas fizeram um verdadeiro silêncio sobre as atrocidades cometidas, logo após as acções dos patriotas, que iniciaram, assim, o processo de Luta de Libertação Nacional de Angola, que durou 14 anos, até a proclamação da Independência do país, em 11 de Novembro de 1975.
PortalMPLA/AB

Veja todas as notícias