Discurso da Vice-Presidente no encerramento da Jornada Política em Cabinda

Discurso da Vice-Presidente, Camarada Luísa Damião, no Acto Político de Massas 09/11/2019 na província de Cabinda que marcou o encerramento da 3ª Jornada Política do Secretariado do Bureau Político do MPLA.

Eis o discurso:

Camarada Paulo Pombolo, Secretário Geral do MPLA;

Camaradas membros do Secretariado do Bureau Político; 

Camarada Marcos Alexandre Nhunga, Membro do Bureau Político do Comité Central do MPLA, 1º Secretário Provincial do Partido e Governador da Província de Cabinda; 

Camarada Virgílio de Fontes Pereira, Coordenador do Grupo de Acompanhamento do BP/CC à Província de Cabinda;

Camaradas membros da Comissão Executiva do Comité Provincial do MPLA;

Caros Camaradas quadros, dirigentes, Militantes, Amigos e Simpatizantes do MPLA;

Povo de Cabinda.

É com imensa satisfação que tomo a palavra em nome do Camarada Presidente João Manuel Gonçalves Lourenço, para expressar a família MPLA em Cabinda, as nossas efusivas saudações patrióticas, à todos os militantes, amigos e simpatizantes presentes neste acto político, em representação das heróicas populações do Belise, Buco-Zau, Cabinda e Cacongo.

E, por isso, saúdo-vos com alegria e a todo o povo de Cabinda, do Miconje ao Yema e de Massabi ao Zenze do Lucula, na nossa bonita Língua Nacional: Mbote, Mbote, Mbote!

Desde a nossa chegada, sentimos a vitalidade que caracteriza a forma de estar e ser da família MPLA, nesta província do território nacional, que acolhe a III Jornada Política do Secretariado do Bureau Político do MPLA. 

Realizamos a III Jornada Política, no mês da independência Nacional, proclamada a 11 de Novembro de 1975 pelo guia imortal, o saudoso Presidente Dr. António Agostinho Neto, o fundador da Nação angolana. 

Efeméride carregada de um simbolismo indescritível e o mês a seguir é também especial para o Partido. O nosso glorioso MPLA comemora 63 anos, desde a sua fundação no dia 10 de Dezembro de 1956.

É nesta feliz coincidência, que a Direcção do Partido trabalhou no período de 4 dias de forma intensa aqui na Província de Cabinda, com as estruturas intermédias e de base do MPLA, insuflando um maior dinamismo e rigor na mobilização política e social dos militantes, em torno da materialização do programa de organização política sob a liderança do Camarada Presidente João Manuel Gonçalves Lourenço.

Durante a nossa estada aqui em Cabinda, procedeu-se a análise sobre o estado de organização e funcionamento das estruturas do MPLA, avaliação da implementação do Plano de Desenvolvimento Nacional (PDN-2018-2022), do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios e o Plano Nacional Estratégico da Administração do Território e Reforma do Estado (PLANEAT 2015/2025).

Percorremos os 4 municípios da província, e como não podia deixar de ser, a par do contacto com as nossas estruturas, visitamos os projectos estruturantes da Província, dentre os quais, alguns estão em curso, outros carecem de disponibilização de recursos financeiros. 

A sua rápida conclusão servirá grandemente o nosso Povo e a economia da Província.

Caros Camaradas;

Sob o lema, MPLA e os novos desafios, saímos do VII Congresso Extraordinário mais revigorados, mais rejuvenescidos e imbuídos da responsabilidade de estarmos a altura do novo ciclo que teve como ponto de partida o ano de 2017 com a realização das eleições gerais.

Realizamos com êxito a todos os níveis o processo orgânico que antecedeu o VII Congresso Extraordinário e mais recentemente, acompanhamos um novo ciclo no seio da JMPLA que se consubstanciou na entrada ao Comité Nacional de Jovens da faixa etária, abaixo dos 35 anos de idade. 

O referido processo na JMPLA permitiu igualmente o aprofundamento da democracia interna com múltiplas candidaturas no VIII Congresso Ordinário da organização juvenil do MPLA, com debate interno, associada a subida de temperatura dos jovens, própria de processos eleitorais e pela primeira vez, na disputa ao cargo de 1º Secretário Nacional. 

No final de tudo, ganhou o nosso Partido que tem na JMPLA, o seu viveiro estratégico de quadros o que, claramente dá-nos o sinal de tudo fazer para estar à altura dos desafios que se colocam no presente e no futuro a juventude angolano e ao País em particular. 

Por isso, aproveito o momento para apresentar-vos o Camarada Crispiniano dos Santos, membro do Comité Central do MPLA e 1º Secretário Nacional da JMPLA.

Camaradas;

Vivemos tempos de grandes desafios, quer seja no contexto nacional e internacional, onde devemos aproveitar ao máximo as oportunidades e a capacidade dos nossos quadros, concentrando o nosso foco na unidade de pensamento e acção, com os olhos postos nas principais aspirações e anseios do nosso Povo. 

Dizia o Presidente António Agostinho Neto, fundador da Nação que “O MAIS IMPORTANTE É! RESOLVER OS PROBLEMAS DO POVO”. 

Assim, tudo devemos fazer para a prosperidade das nossas populações, não obstante as dificuldades que o país atravessa.

Com esse desejo ardente estão em curso, as reformas necessárias, que estão a ser empreendidas com  coragem e determinação, fazendo jus ao nosso lema, “MPLA, melhorar o que está bem e corrigir o que esta mal”, assumindo assim, o principio filosófico, segundo o qual, a pratica é o critério valorativo da verdade.

Os programas e projectos em curso na Província, que vão no sentido de realizar o interesse público, devem ser bem acompanhados em sede dos Conselhos de Auscultação e Concertação Social aos vários níveis, pelos cidadãos e pelas estruturas do Partido, exigindo dos gestores públicos, o cumprimento escrupuloso das regras de contratação pública e da prestação de contas. 

Por tal facto é também ponto assente, que no contexto actual devemos melhorar cada vez mais, a qualidade do discurso político, marketing político, sendo certo que, colocados em prática com uma articulação rigorosa será mais eficaz e atraente, o nosso trabalho de mobilização política, nas localidades, tendo em conta a resolução dos principais problemas da nossa população e consequentemente, a melhoria qualitativa do bem-estar das famílias angolanas.  

A ser assim, não temos dúvidas que a victória continuará a ser mais do que certa em todo o país e em particular aqui em Cabinda.  

Caros Camaradas;

Cabinda é uma forte zona de influência do MPLA, parte das raízes do nosso Partido assentam neste solo, desde os primórdios da luta de libertação nacional, não é por acaso que se designou de II Região Político Militar, o laboratório de quadros o que dá a fortaleza ao nosso Partido. 

Há um trabalho árduo e muito sério que está a ser feito pelas nossas estruturas sobre a vida interna do nosso Partido que encorajamos a prosseguir. 

Temos de retomar e assegurar um maior crescimento do Partido com a participação activa de todos os militantes e das nossas organizações sociais, a nossa OMA e a JMPLA que se espera e se recomenda, mais vibrante e mais atraente. 

A metodologia de trabalho utilizada durante a III Jornada Política permitiu o Secretariado do Bureau Político, interagir de perto com as organizações de base, sendo que uma das estruturas do Partido no município de Cabinda, o seu responsável, garantiu-nos que milhares de cidadãos sobre a sua zona de influência serão mobilizados em torno do MPLA.

Isso nos anima, significa caros camaradas, que temos de fazer um trabalho de proximidade, viver os problemas, uns dos outros, prestar a solidariedade ao próximo, ali onde residimos.  

É evidente que temos de unir sinergias para a melhoria das condições de vida das nossas populações, contando com os quadros da Província e da experiência governativa que o nosso Camarada Primeiro Secretário Provincial acumulou e com o vosso forte apoio fará uma diferença significativa, sobretudo quando aos poucos concluírem-se os projectos estruturantes, contribuirão para o aumento de mais acesso dos jovens ao ensino superior, aumento de mais água e luz, oportunidades de negócios e empregos para os nossos jovens, habitação, saúde, dentre outros. 

Esses são desafios que se colocam em Cabinda e em todo o País.

Todavia, devemos abrir cada vez mais, espaços de diálogo com as famílias, mormente os jovens que têm uma palavra, porque têm ideais, investigam e são a maioria da população angolana. 

Dialogar de forma construtiva, clarificando sempre o conteúdo da mensagem, evitando ruídos, mesmo com aqueles que pensam diferentes do que nós ou quando as críticas parecem destrutivas. 

Na diferença pode-se transformar os pontos divergentes em convergentes e não tenho dúvidas que podemos atrair muitos para a nossa causa ou ganharemos amigos e simpatizantes.  

Porém, há alguns que, semeando o boato, a intriga e a inverdade no nosso seio pensam que nos podem derrotar, esquecendo que, o MPLA é um Partido maduro que venceu sempre os seus desafios.  

Estamos cônscios de que existirão sempre dificuldades, mas temos a vantagem de nunca negociarmos os nossos princípios e valores, assim como a perene responsabilidade de que, a Pátria está em primeiro lugar. 

Caros camaradas;

Os novos desafios para o MPLA colocam-se também na vertente político eleitoral, nomeadamente nas eleições autárquicas que pela primeira vez, saem do texto constitucional para a prática, sem esquecer a realização das eleições gerais, bem como o programa de moralização da sociedade que deve ser sempre motivo de diálogo, debate e sensibilização dos cidadãos e das famílias angolanas.

Esses desafios requerem inteligência e visão estratégica, começando com o rigor e disciplina na organização e funcionamento das nossas estruturas partidárias. Precisamos aprimorar bem as nossas estatísticas, a nossa base de dados, saber como e aonde estão os nossos militantes e qual tem sido a sua contribuição em torno do Partido.

Os novos desafios requerem ainda, o contínuo desenvolvimento das capacidades e habilidades de persuasão, para o debate e combate político nos espaços de diálogo, principalmente de uma melhor e maior inserção activa do MPLA no seio da sociedade, nos média tradicionais e redes sociais, com espírito criativo e inovador, olhando para as diferentes realidades da Província e do País no geral.  

Temos de ser capazes de mobilizar cada vez mais cidadãos para as nossas fileiras, visando a vitalidade do nosso Partido e das nossas organizações sociais, a OMA e a JMPLA.

Por isso, temos de ser um Partido cada vez mais aberto a sociedade civil. A esse respeito, o Camarada Presidente João Manuel Gonçalves Lourenço, na sessão de encerramento do 6º Congresso Extraordinário, orientou e eu cito: “O MPLA deve se preocupar menos com a organização da sua própria vida interna e dirigir a sua acção principal para fora de si próprio, trabalhando mais com os cidadãos, em geral, com os homens da arte e da cultura, com os líderes das mais representativas e influentes confissões religiosas, com os líderes comunitários, com os jovens angolanos, com as mulheres angolanas que não são da sua organização juvenil ou feminina”.

As palavras do Camarada Presidente reforçam a necessidade de um partido cada vez mais, disponível para todos os angolanos que pretendem trabalhar para o Povo e com o Povo, sobretudo na reafirmação da sua orientação ideológica, assente nos seus documentos reitores vigentes.

A rápida adaptação do MPLA a modernidade e a inovação no nosso próprio funcionamento interno, assegura a nossa capacidade administrativa às exigências das batalhas políticas e da própria democracia. 

Camaradas;

O momento que vivemos requer coragem, disciplina, determinação, consistência e coerência política. Exige que o MPLA a todos níveis cerre fileiras em torno das reformas em curso no País e do seu líder o Camarada João Manuel Gonçalves Lourenço, Presidente do MPLA. 

Assim, vamos resolver paulatinamente, os problemas do nosso Povo e garantir um futuro melhor para as gerações presentes e futuras.

Caros camaradas;

No nosso trabalho político temos também de estudar e divulgar as principais acções que foram realizadas nos dois primeiros anos de mandato, saído das eleições gerais de 2017, de modo a continuarmos a mobilizar os militantes, amigos e simpatizantes do MPLA, bem como a sociedade sobre os grandes desafios para a implementação exitosa do Programa do Governação 2017-2022, principalmente na alteração da estrutura económica do País, geração de empregos para jovens e bem-estar das famílias angolanas. 

Finalmente, quero encorajar os quadros, dirigentes e militantes do Partido, de modo a continuarem a desenvolver o trabalho político com rigor, coesão e unidade no nosso seio, que sempre caracterizou o nosso glorioso MPLA, assente nos princípios que subjazem à nossa própria fundação, que mais não são do que servir o nosso Povo.

Nós somos milhões e contra milhões, ninguém combate e quem tentar será vencido. 

Matondo, Matondo, Matondo.

 

A LUTA CONTINUA

E A VITÓRIA É CERTA.

 

Veja todas as notícias