2ª Cimeira China/África: Discurso do Presidente José Eduardo dos Santos

“A REPÚBLICA POPULAR DA CHINA É HOJE UM PARCEIRO IMPRESCINDÍVEL, PARA O DESENVOLVIMENTO DO NOSSO CONTINENTE” – JOANESBURGO, 05.12.15. 

 

“Sua Excelência Xi Jinping, Presidente da República Popular da China,

Sua Excelência Jacob Zuma, Presidente da República da África do Sul,

Senhores presidentes da República e chefes de Governo,

Minhas senhoras e meus senhores,

                                                                      

É com bastante satisfação que vou proferir algumas breves palavras, nesta Cimeira do Fórum de Cooperação China-África.

Esta cimeira traduz a nossa vontade comum de reforçar e de elevar a novos patamares as relações de amizade, solidariedade e cooperação estratégica.

A República Popular da China é hoje um parceiro imprescindível, para o desenvolvimento do nosso continente. Para o confirmar, basta ter em consideração que, desde 2013, a China se tornou no maior parceiro comercial de África e aumentou em mais de 44 por cento o seu investimento directo em África.

Esta parceria, assente na igualdade e benefícios mutuamente vantajosos, pode, também, para além de contribuir para o desenvolvimento dos nossos países, ajudar no estabelecimento de uma nova ordem política e económica internacional e promover a democratização das relações internacionais.

De facto, a população da África e da China, somadas, elevam-se a quase dois biliões e meio de pessoas, um terço da população mundial e têm, por isso, de ter uma voz activa na defesa dos seus interesses e na superação dos desafios comuns, num Mundo cada vez mais globalizado e em permanente mudança.

A China apoiou de, modo exemplar, os países africanos, na luta contra o colonialismo, tanto no plano político-diplomático, como material. 

Conquistada a independência nacional e estando a construir as nossas nações, é necessária e fundamental esta nova parceria, que apresenta novos desafios e visa a realização dos objectivos comuns.

Na base das relações bilaterais e multilaterais, do diálogo permanente e da cooperação, não há dúvida que a África e a China vão realizar os objectivos fixados na estratégia conjunta.

Para resolvermos os nossos problemas mais prementes e prioritários, é necessário estruturar a cooperação entre a China e África em três níveis e estabelecer os respectivos instrumentos de acção: 

1) A nível continental, através da Comissão Executiva da União Africana e seu aparelho;

2) A nível de cada uma das cinco sub-regiões africanas e os respectivos aparelhos;

3) A nível dos Estados membros da União Africana, através dos seus governos.

Além da cooperação para a procura de soluções globais, previstas pela NEPAD e pela visão para a industrialização da África e promoção do seu comércio, a China poderia dar maior ajuda, a todos os níveis, para a resolução dos problemas básicos das populações e dos jovens, designadamente:

- no combate para a erradicação da fome e da pobreza, apoiando a agricultura familiar e a comercialização da produção conseguida; 

- no apoio aos programas para a instalação de pequenos sistemas de produção de água potável no meio rural e  na periferia das cidades; 

- no apoio à criação de centros de formação profissional, garantindo-se o financiamento previsível de longo prazo dos planos nacionais de educação, a fim de se ministrar um ensino de qualidade aos jovens dos nossos países que dê acesso ao emprego;

- na promoção de projectos de investimentos públicos e privados, que criem empregos e evitem a emigração dos africanos para outros continentes ou a fuga para outros países africanos com mais oportunidades.

Outro domínio importante é o da produção de alimentos e da agricultura e da agro-indústria, para se garantir a segurança alimentar e o da construção de infra-estruturas, como estradas, pontes, energia eléctrica, água, telecomunicações, saúde e formação de recursos humanos, que são todos elementos essenciais para a industrialização dos nossos países.

Finalmente, para combater a desertificação e proteger os nossos países das mudanças climáticas, temos de cuidar e de alargar as nossas florestas, bem como transformar, em vez de queimar, o gás obtido da produção de petróleo. 

 

Excelências,

 

A abrangência dos temas tratados na Declaração desta Cimeira reflecte a profundidade e o longo alcance da visão estratégica deste Fórum de Cooperação China/África, capaz de favorecer a paz, a estabilidade e a prosperidade de todos. 

O Plano de Acção vai permitir, aos estados e respectivos governos, a implementação dos princípios e objectivos traçados, darem um novo impulso à materialização dos consensos alcançados, abrindo o caminho para a entrada numa nova era de cooperação e progresso.

Tenho a agradecer a Sua Excelência Jacob Zuma, Presidente da África do Sul, pela hospitalidade e pelas excelentes condições postas à nossa disposição nesta Cimeira e, também, o empenho pessoal de Sua Excelência Xi Jinping, Presidente da República Popular da China, em dar continuidade a esta cooperação, entre a República Popular da China e o continente africano.

Muito obrigado pela vossa atenção!”.

PortalMPLA/Sede Nacional do Partido

 

Veja todas as notícias