Camarada Luísa Damião apela reforço da disciplina interna no MPLA

Durante o discurso de abertura do II Conselho de Disciplina realizado neste sábado 05.12, no Complexo Turístico do Futungo II, a Camarada Luísa Damião, vice-presidente do MPLA afirmou ser necessário reforçar a disciplina interna que sempre caracterizou o MPLA ao longo da sua árdua trajectória de lutas e vitórias, pelo que todos devem apoiar e respeitar o trabalho desenvolvido por este organismo nacional do Partido.
Luísa Damião encorajou a Comissão de Disciplina e Auditoria, a ter um papel cada vez mais actuante, forte e sólido na sua missão de garante do cumprimento dos estatutos do MPLA e demais documentos que regem a vida interna da nossa orgulhosa e vitoriosa organização política e dos seus militantes, aos mais diversos níveis.
A Vice-Presidente instou a Comissão de Disciplina e Auditoria do Comité Central a, neste II Conselho de Disciplina e Auditoria, reflectir profundamente sobre os mecanismos a adoptar para o controlo, fiscalização e monitoramento do comportamento dos militantes do MPLA nas redes sociais e aferir quais os comportamentos susceptíveis de serem caracterizados ou subsumidos a uma infracção disciplinar.
Devemos todos contribuir, prosseguiu a dirigente, para que continuemos a ter um Partido cada vez mais forte e sólido, a fim de vencermos os desafios do presente e do futuro, respondendo aos anseios e aspirações do povo Angolano.
Luísa Damião recordou que o trabalho da Comissão de Disciplina e Auditoria deve pautar-se pela lisura, transparência e sentido pedagógico. 
Em jeito de orientação, Luísa Damião afirmou que, nesta magna reunião, a Comissão de Disciplina e Auditoria do Comité Central, não deve limitar-se apenas analisar a organização e funcionamento das Comissões de Disciplina e Auditoria, o respeito pela quotização e contribuições no Partido, a instrução de processos partidários e consequente aplicação de sanções partidárias, ou ainda as Auditorias, o contencioso e assistência jurídica,
Mas, continuou, deve também avaliar o grau de cumprimento da Constituição da República de Angola, enquanto lei magna que rege a vida do nosso povo, as regras de moralidade pública e o escrupuloso cumprimento da função ou cargo para o qual o militante dirigente tenha sido indicado, conforme estabelecido nos Estatutos do MPLA e demais diplomas infra estatutários. 
Luísa Damião aproveitou a ocasião para recordar excertos da intervenção do Camarada João Lourenço, Presidente do MPLA, proferido no discurso de abertura da VI Reunião do Comité Central, quando disse “Não basta termos um bom programa, bons estatutos. Importa que a nossa prática, a nossa atitude, enquanto Partido, esteja em conformidade, alinhada com o conteúdo dos documentos que aprovamos em Congresso ou a outro nível de direcção”.
A Comissão de Disciplina e Auditoria do Comité Central é o organismo encarregue de velar, a nível nacional, pelo cumprimento das disposições constitucionais, legais, estatutárias e regulamentares que regem o Partido, e tem ainda outros grandes desafios, que são o asseguramento da disciplina e democracia interna, das liberdades de opinião, de expressão e pensamento.

Veja todas as notícias